14/01/2011

Chocada

O Brasil é a oitava economia mundial. Em cinco anos, de acordo com a previsão de Lula, seremos a quinta potência econômica do planeta.
O governo fez a maior doação ao Haiti por ocasião do terremoto (o que apoio sem dúvidas), perdoou dívidas de paises pobres (o que apoio, mas sem tanto entusiasmo), deu vantagens econômicas ao Paraguai (o que não sei se apoio) e entregou as refinarias da Petrobras aos bolivianos (o que me dá vergonha).
E agora, diante da maior tragédia por águas de que eu sou capaz de me lembrar nos meus tantos janeiros, leio que o governo vai liberar para as vitimas algo em torno de 4.000 mil reais do FGTS... Realmente dá pra reconstruir a vida com essa fortuna e ainda sobra um troco...
Sim sim, eu sei, o governo federal juntamente com o estadual e municipal também vão ajudar... tal e qual ajudaram as do morro do Bumba e tantas outras?
Presenciamos enchentes em outras partes do mundo agora mesmo, mas em algum outro lugar vimos tamanha quantidade de mortos e desabrigados?
Há a possibilidade da parva aqui ter entendido muito mal a história, mas...

Post-scriptum: Decreto da presidente Dilma Rousseff, publicado no Diário Oficial da União desta segunda-feira (17), eleva de R$ 4.650 para R$ 5,4 mil o limite de saques do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para os trabalhadores que estão em regiões serranas do Rio de Janeiro castigadas pelas chuvas nas últimas semanas e para moradores de cidades com decreto de situação de emergência ou estado de calamidade pública em qualquer outra região do país.

1 contracenaram:

Claudia disse...

Pois é, Taís, a única explicação pra toda essa tragédia, é que político não ganha voto nem aparece na mídia, quando propõe ou faz um projeto de prevenção.
O que dá retorno nas urnas é quando ele aparece no momento do caos, prometendo tudo e mais um pouco.
Realmente não dá pra acreditar que tanto dinheiro foi gasto com outras e quase nada em prevenção de tragédias como essa aqui no Rio e outras tantas que ainda ouviremos falar.
bj e boa sorte pra nós!