18/09/2009

Tico e Teco trabalhando

Eu li há um tempo, não consigo me lembrar onde, algo que dizia mais ou menos assim:

“Encare o que te aflige com essas palavras: Em cinco anos, vai importar?”

Pois é, isso é mesmo algo a se pensar.

Olhei para trás e percebi que a maioria das coisas que me pareciam catastróficas, não me atingem mais. Penso, por que é que eu me preocupei tanto com aquilo? Por que parecia tão importante? Se realmente tivesse alguma importância, não teria ainda hoje?

E fiquei aqui a matutar, quais das minhas preocupações de hoje, quais das minhas aflições e catástrofes particulares, quais ainda terão importância daqui cinco anos?

Pensar nisso me atenua o hoje. Faz mais claro o lugar que cada coisa merece.

Muito pouca coisa é importante de verdade.

8 contracenaram:

Mario Arkus disse...

Esatamente isto é o que fala Pirandello nesta passagem de "L'uomo dal fiore in bocca"; peça que acho que te disse que gosto muito:

"Perché, caro signore, non sappiamo da che cosa sia fatto, ma c'è, c'è, ce lo sentiamo tutti qua, come un'angoscia nella gola, il gusto della vita, che non si soddisfa mai, che non si può mai soddisfare, perché la vita, nell'atto stesso che la viviamo, è cosi sempre ingorda di se stessa, che non si lascia assaporare. Il sapore è nel passato, che ci rimane vivo dentro. Il gusto della vita ci viene di là, dai ricordi che ci tengono legati. Ma legati a che cosa? A questa sciocchezza qua... a queste noje... a tante stupide illusioni... insulse occupazioni...
Sì, sì. Questa che ora qua è una sciocchezza... questa che ora qua è una noja... -e arrivo finanche a dire- questa che ora è per noi una sventura, una vera sventura... sissignori, a distanza di quattro, cinque, dieci anni, chi sa che sapore acquisterà... che gusto, queste lagrime...

Pelos caminhos da vida. disse...

EStou aprendendo que não devemos nos preocupar com nada que venha a acontecer e sim sabermos esperar para assim solucionarmos.

Bom dia.

beijooo.

Marcone França disse...

Infelizmente não temos esta percepção de futuro e não temos como saber o que nos será importante.
Mas a vida se encarrega desta missão.

Abraço!
Bom final de semana.

Taís disse...

Ahh não tinha me lembrado antes, mas agora me lembro, principalmente dessa parte: "daqui a quatro, cinco, dez anos, quem sabe que sabor adquirirá, que gosto, estas lágrimas..."
Muito bom.

Juliana David disse...

Se olhar para trás refletimos sobre o ontem e talvez modifiquemos o amanhã. E o hoje é vivenciar mesmo sem saber se amanhã seremos melhores ou piores.

Beijos

Pelos caminhos da vida. disse...

Tem bonequinha da sorte lá esperando por vc.

Uma semana de gdes realizações.

beijooo.

Flavio Ferrari disse...

Eu costumo ter a morte como companheira ... é minha referência para saber se alguma coisa é importante ou não.

Jullyane disse...

Ontem mesmo li esse texto em algum lugar (não lembro onde) e achei super interessante a gente se basear nisso pra não desesperar.

Beeeijos