20/07/2011

Eureka!

Hoje eu li um artigo sobre uma experiência que fez um jornalista alemão, Jürgen Schmieder, que ficou 40 dias sem mentir. É, sem mentir nadinha. Imagine o inferno que deve ter sido para ele e para os que tiveram que conviver com ele...  A bem da verdade eu não vejo muita relevância no experimento, embora seja até curioso. 

Mas enfim, não vou entrar nessa questão de quanto é realmente necessário ou não mentir, sobre mentiras boas e más e nem nada disso, que todo mundo já está farto dessa história. Somente comentei o artigo porque foi o propulsor de algo que – pasme! – até agora eu não havia me dado conta ou entendido ou sequer pensado sobre. 

A diferença entre dizer a verdade e ser sincero.

Superficialmente falando, porque não tenho a pretensão de defender uma tese sobre isso, e escrever tudo o que pensei é impossível, concluí que:

A verdade independe das minhas crenças e convicções. A verdade é, apesar de mim. Queira eu ou não.

Já a sinceridade é a expressão de minhas próprias impressões, o que eu penso e acredito.

Eu não quis e não vou procurar a definição das duas num dicionário, simplesmente porque não quero estragar a magia do descortinamento. Mas é algo que parece, sempre misturei. Não podia dissociar um conceito do outro. Dizer a verdade, para mim, era ser sincero e ser sincero era dizer a verdade. Agora já não me parece tão simples.

E qual a importância de tão homérica descoberta? Só uma: finalmente entendi o poeta...

Mentiras sinceras também me interessam.

8 contracenaram:

Roberta disse...

É, faz sentido. Vou rever meus conceitos também, mas vou ter que pensar muito pra chegar onde vc chegou rssss.
beijos
Roberta

Eu e a solidão/Ro disse...

Pensando sobre o artigo, imagino tudo que ele passou. Mas a melhor coisa é ser sincera, eu gosto, embora saiba que nem tudo mundo age assim.

Beijos!

André Dias disse...

...pequenas poções de ilusão...
Bjão

Taís disse...

Roberta: é sempre bom rever conceitos, embora eu não tenha certeza que isso possa fazer algum sentido pra alguém além de mim. Bjos :)

Ro: realmente é uma grande dificuldade falar a verdade o tempo todo, mas não ser sincero, porque vc não precisa ser cruel pra ser sincero. Coisa que, as vezes, a verdade exige. Bjos e meus bons pensamentos estão com vc.

André: ... mentiras sinceras me interessam... Bjos

Lívia. disse...

Oi, Taís! Vim aqui retribuir o carinho, e encontrei o seu texto tão bom e um blog tão bonito.
Também nunca tinha pensado na diferença trivial que existe entre a verdade e a sinceridade, bela observação a sua! Posso pensar que, na maioria das vezes sou muito mais sincera do que verdadeira. Muito mais.
Obrigada pelo carinho, volte sempre..

E a semelhança é ainda maior, porque "mentiras sinceras" também me interessam ! (:

Beijos carinhosos em você. :)

Taís disse...

Livia: É bom saber que não só eu não havia entendido isso... :)
Muito obrigada! Adorei ver vc por aqui! Volte quando quiser.
Bjos

Tânia Meneghelli disse...

Oi Taís!

Muito legal o post, faz a gente refletir.

Penso que há definições que merecem atenção. Parece que significam a mesma coisa, só que, de fato, têm sentidos diferentes.

Uma vez falei sobre fidelidade e lealdade no meu blog. Aparentemente são sinônimos, mas a verdade é que são muito diferentes na prática.

Nunca tinha parado pra pensar sobre verdade e sinceridade. Acho que você definiu perfeitamente.

Beijoca!

Taís disse...

Tânia: é verdade, fidelidade e lealdade também tem conceitos muito distintos. Não sei porque os confundimos. Assim como verdade e sinceridade.
Depois que se pensa, de tão simples, não podemos acreditar que nos enganamos tanto.
Bjos